Programação

Detalhe de atividade

Mesa 7.2 - Perspectivas no controle de endemias transmitidas por mosquitos no Brasil: Dengue, Zika, Chikungunya, Febre Amarela.

25/04 - 09h às 12h15 Local: Sala 256

Ementa

O mosquito Aedes aegypti, transmissor das doenças acima, originário do Egito, se espalhou pelas regiões tropicais e subtropicais do planeta desde o século XVI. Embora transmitisse a dengue no Brasil no final do século XIX e início do século XX, foi considerado importante problema de saúde pública pela sua capacidade de transmitir também a febre amarela.

Predomina, atualmente, a visão de que sua erradicação é improvável. O uso continuado de inseticidas levou à seleção de mosquitos mais resistentes e, principalmente, as condições ambientais modernas se tornaram mais complexas, com grande profusão de criatórios artificiais desse inseto em meio urbano, nas casas e nos espaços públicos, decorrência da carência de saneamento, com disposição irregular de lixo nas cidades, com ampla domiciliação do mosquito no território nacional.

Outros mosquitos podem transmitir essas e outras doenças em ambiente urbano, com menor importância epidemiológica, também precisam ser continuamente monitorados, como é o caso do mosquito Aedes albopictus, presente em centenas de municípios. Em ambiente silvestre os mosquitos Haemagogus e Sabethes são os responsáveis pela transmissão da febre amarela, doença para a qual se dispõe de vacina de alta qualidade e custo acessível, produzida no Brasil desde 1937.

O Brasil está condenado a conviver com a transmissão epidêmica da Dengue, Zika, Chikungunya, Febre amarela? O que se pode fazer diante do atual panorama de infestação urbana de tais mosquitos? 

Esse conteúdo subsidiará os debates.

Participantes convidados