Programação

Detalhe de atividade

Mesa 7.1 - Para o cuidado integral da saúde das pessoas: Redes regionalizadas são uma boa alternativa?

24/04 - 14h15 às 17h30 Local: Sala 256

Ementa

As normativas do Ministério da Saúde e das instâncias colegiadas do SUS orientam estruturar as redes regionais de saúde para obter a máxima capacidade de oferta da atenção à saúde no território em que vivem os brasileiros. São 436 regionais de saúde, com organização ainda incipiente no país. Municípios menores e mais pobres sofrem pesadas consequências da fragmentação da gestão nas três distintas esferas da federação. Atenção Primária à Saúde (APS) de qualidade torna o sistema mais resolutivo e eficiente e permite fazer mais e melhor com o mesmo recurso. Rede de Urgências e Emergências adequadamente organizada, melhora a qualidade assistencial e reduz custos para os gestores. Assistência de média e de alta complexidade, planejada conforme as necessidades regionais aumentam a resolutividade e a equidade do acesso e melhora a eficiência do sistema. Regulação pode ser um poderoso instrumento de gestão do fluxo de pacientes, aprimoramento da APS e racionalização do uso dos recursos disponíveis. Transporte Sanitário organizado regionalmente deve ser mais racional e eficiente. Racionalizar a oferta mediante o conhecimento das necessidades e contar com definição justa de responsabilidades exige planejamento regional da atenção à saúde e compartilhamento solidário da gestão regional.

Esse conteúdo subsidiará os debates.

Participantes convidados